Os cuidados com o paciente que sofre com o câncer vão muito além dos tratamentos médicos existentes atualmente (radioterapia e quimioterapia). Quem possui a doença precisa manter uma boa alimentação, ter recursos financeiros para comprar medicamentos complementares ao seu tratamento e, talvez, o principal: necessita de assistência psicológica e apoio para lutar contra a doença.
Foi com base nessas necessidades observadas durante seus mais de 30 anos de trabalho na área de Oncologia, que o médico radioterapeuta e cancerologista, Flávio Isaías Rodrigues, teve a idéia de fundar uma entidade capaz de oferecer um tratamento paliativo aos portadores de câncer atendidos pelo Centro Oncológico de Mogi das Cruzes, em especial os mais carentes que dependem do SUS.

Com o apoio da família e amigos, em agosto de 2002, foi fundada a Associação Beneficente de Controle do Câncer do Alto Tietê (ABCC AT), inscrita no Comas (Conselho Municipal de Assistência Social) e com atividades embasadas no L.O.A.S. – Lei Orgânica de Assistência Social/Lei Federal 8742 de 07 de dezembro de 1993. Essa legislação estabelece que a assistência deve ser prestada a todos que dela necessitam, visando a universalização dos direitos sociais e enfrentamento da pobreza, garantindo aos cidadãos os mínimos sociais para a sua subsistência.

Em 6 de julho de 2005 através da lei No 5.795 do município de Mogi das Cruzes a ABCC-AT foi reconhecida como de utilidade pública municipal.
Recursos da ABCC-AT
Os recursos financeiros são originários da iniciativa de pessoas voluntárias que contribuem com doações espontâneas, através dos eventos, festas, bingos, beneficentes promovidos pelos voluntários (as).